Aventureira de pés no chão

Ela é uma aventureira de pés no chão.
Gosta de fazer trilhas, desde que já tenham sido exploradas antes. Gosta de frutas selvagens, desde que tenham marcas de bicadas de passarinhos mostrando que há doçura ali e vale a pena provar. Ela é leve e densa, perdeu o drama ocidental, mas mantém a melancolia latina. O que era dor evaporou, ficou só o substrato, a experiência. Hoje ela chora, ri e medita. Ela gosta de mergulhar em lagos desconhecidos, mas primeiro molha os pés, vai entrando com o corpo devagar antes de afundar de cabeça. Prefere as águas profundas e claras. Ela gosta de bicho, prefere os dóceis, que se deixam tocar e amar, porque já perdeu a crença e a vontade de amansar misteriosas feras. Ela gosta de se aventurar de olhos abertos, misturando a veemência da paixão com a familiaridade do amor. Ela adora se perder, desde que seja para se encontrar.