Se eu não vestisse óculos de ver poesia eu não sei se eu suportaria a sem gracisse da vida. Se eu não mergulhasse na minha distração, eu não encontraria vãos para colorir os dias. Se eu não me concentrasse em desconcentrar do mundo, talvez, eu não veria razão. Se eu não soubesse fechar-me toda em silêncio, bloqueando os infindáveis estímulos de fora, eu não traria para a vida as borboletas que colho aqui dentro.