Casca e tutano

Guardar a palavra 'amor' 
em ambiente aberto
- quente e úmido
para que prolifere com rapidez
e que fique longe da prateleira
onde se conserva o 'bom dia'
tomando conta para não virarem
farinha do mesmo saco

Pintar o rosto
com a palavra 'coragem'
e de tempos em tempos
lustrar com óleo de peroba
para que as máscaras
continuem a escorregar

Cuidar da palavra 'poema'
cultivando os jardins da alma
para que a poesia não deixe
de vir cheirar as flores
e ir derrubando o pólen
nos caminhos
por onde passa

Romper a palavra 'mágoa'
incrustada nos cantos escondidos
Com cuidado, quebrar uma a uma
no cantinho da pia
Colocar o tutano em xícaras
Descartar as que realmente estão podres
e fazer um omelete
com as que ainda fazem sentido

Lembrar da palavra 'vida'
nas preces de cada dia
Colocar na frente da TV
do celular e do computador
se possível pregar nas pálpebras
evitando a cegueira
e para que assim, por onde andemos
vejamos, vivos, despertos
a realidade em carne viva