eu não vou ficar sempre aqui na esquina,
plantando batata doce, 
baroa, mandioca, 
manjericão, manjerona.
Eu não vou ficar à toa
nesse sinal semi-fechado, amarelado
como o meu semi-sorriso.
Tomando cuidado, falando aos sussurros
com a sua mão.Não.
Pescando lambari
e vendo o tempo passar
cozinhando o coração devagar
enquanto você segue a risca
sua rotina de seguir a trilha
e preservar as vísceras
que poderão estar apodrecidas
quando finalmente você decidir
vir me encontra qui
nessa velha esquina