Poemo-me

Sorrio de beleza
Choro de transbordamento
Respiro palavras
Expiro sentimentos
Sofro de realidades paralelas
Amo sem objeto
Me doo sem contato
Morro sem ter nascido
Inundo sem ser líquida
Voo sem ter asas
Caminho por terras do nunca
Beijo o imponderável
Me visto de delicadezas
Abafo o que de mim me oculta
Descortino um nu fantasiado
Ajo como santa e puta
Bebo duma fonte escondida
E pelas mãos, alimento o mundo
Assim sou
Poeta