Brechó de quinta

Tudo em mim é remendo - da poesia ao sentimento.
tudo em mim é de matéria simples - artesanato de cacos
faço dobraduras com encontros 
e com desencontros, porta retratos
crio artefatos inúteis e bonitos e outros úteis e feios
às vezes escrevo com sangue quase jorrado da artéria
outras vezes escrevo com retalhos de matérias, 
metáforas que sobraram de alguma ideia
faço poesia com fuxicos coloridos 
emendo tudo, não gosto de desperdício
misturo imaginação com realidade
em doses diferentes a cada dia
costuro uma renda fina num vestido de chita
e crio as peças do meu brechó de quinta
sou coletora de lixo, deve ser tudo kitsch
tudo balangandã, bibelô da vinte e cinco de março, 
penduricalho de mulher sem gosto
pintura de criança exposta com orgulho 
na parede dos ingênuos pais
Tudo aqui deve ser de mal gosto, cru, frouxo, leigo...
mas, meu amigo, te digo
tudo, tudinho aqui, antes de existir
passa por dentro
(do peito)