Tenho certezas cravadas na areia
Só falo de verdades
E elas são tão firmes quanto as estações
Todas as minhas sentenças são interrogativas
Minha moral se (des)constrói no amor
Meu caminho é uma carona no que vibra

Como explicar um tipo de liberdade 
Que um dia é devoção
Trancafiada por espontânea vontade 
Aos pés do ser que meus olhos
Quiseram inventar paixão
E no outro dia é só leveza e solidão?
Liberdade
Que se doa de bandeja
Ou se resguarda inteira
Feito cachorro de rua
Não sei por que se abre:
desconfiada e excessiva
Não sei por que se fecha:
serena e exaurida