Uma dose de cuidado

O que me mata é esse ter que tomar cuidado
com palavras, com sentimentos 
para não assustar, para não afastar
Excesso de vida afasta?
Para onde vai o que não pode ser expressado,
o que é reprimido?
Engolido com uma dose de medo 
com um copo de cuidado 
Cuidado para não quebrar o fino gelo
Medo de mergulhar?
Cuidado para não dizer muito
Dizer é apenas compartilhar
Não é pedir, não é exigir, não é esperar
Dizer é entender, é desacumular
É esparramar belezas excedentes
O que me mata é esse ter que tomar cuidado
Esse aprender a dizer só um pouquinho
O conveniente, o esperado
Para onde vai todo o resto?
Engulo?
Engolir palavras, engolir sentimentos
Engolir quieta, à seco 
A vontade reprimida
O amor desperdiçado
A vida em carne viva
O que aperta o peito, desconecta o mundo
nos torna seres desaprendidos de amar
Não são os sentimentos nãos vividos
São os sentimentos não expressos
Esses...
que escondem a gente
dentro da gente mesmo