Vazia

Nesse meu mundo pós apocalíptico

Já não há vontades

Nada mais grita

Nada mais sangra

Nada mais se transforma

A bagunça foi varrida pelo vento.

Seus olhos são de pedras (assim os vejo)

E sua presença já não faz sentido algum

Nesse meu deserto de areia.

Eu estou vazia

Aprendi a derramar no tempo

Um coração cheio de promessas e ausências

Eu estou vazia

E já não posso te oferecer nada

Nem minha última lágrima

Ela foi absorvida

Nesta pele que fervia

Enquanto você não estava