A gente formou gangue

Quando encontrei aquele menino levado

Não deu outra, a gente formou gangue. E tudo que eu tinha aprendido foi pro buraco. Já não cruzava as pernas, comia de boca aberta, fazia xixi no mato, ria das caras de missa, perdia o fôlego nas piadas, corria no supermercado. Andava de cavalinho, dava rasteira, bebia no bico da garrafa, nadava na fonte da praça, fumava. Corria até cair de tanto dar risada. Acordava com trote na cara e confabulava diabolicamente o plano da vingança. Gargalhava quando ele se dava mal, mas a gente era parceiro de andar torto pela vida. Quando deixei aquele menino, ele me disse que foi o trote mais bem dado, ficou perdido e com cara de trouxa. Eu disse 'foi mal mas desse jeito, nessa vida a gente não vai pra frente'. Agora estamos esperando a próxima (vida), em que a gente possa andar de lado.