Carona nas luzes

(...) peguei uma carona num cometa incandescente e quando ele acabou, me deixei ficar um pouco mais na memória de sua luz. Ao chegar a noite, me transformei num cílios para ser carregada por vagalumes. É que antes que se furasse de uma vez o dourado balão do sonho, eu quis aprender a geografia da lua. Não foi difícil, era só pular de um pé só quando ela minguava e quando se enchia, eu me embebedava. Aprendi a magia de colecionar a luz dos encantamentos antes que se apaguem. Pulei amarelinha nas estrelas, de pé em pé, de luz em luz, de vida em vida. Antes de virarem sombras, antes de acompanharem os ciclos. Eu já sei voar com uma flor até a próxima primavera. Mas antes de ir, fico aqui até ver o inverno despontando no horizonte. Só quando vejo a primeira folha enferrujar na árvore, faço as malas. Ontem seus pés tocaram os meus e a noite toda pareceu se desfiar pelas suas mãos ansiosas em ver raios amarelos chegando e cegando minha vontade de ir. Você quis construir fogueiras dentro do inverno mas já queimamos toda a mobília. E antes que o mundo todo se apague, eu preciso aprender a construir asas movidas à velocidade da luz (...).