Não se captura
Borboletas
Com a vontade
Das mãos
Com a saliva
Dos olhos
Não se persegue
Borboletas
Não se analisa
Seus voos
Não se trilha
Seus desalinhos
Não se entende
E nem se busca
Entender
O imponderável
Não se ostenta
Luz
Que se acende
Solta
Não se acompanha
Não se espera
Não se cria
Não se nomeia.
Borboletas –
Só se ama
Se deixa
Ser
Voo
Dos olhos
Sorriso
Das cores
Borboletas são perdas
Para esse mundo de ganhos