Um Vírus Chamado Poesia

Escrever não é um estado natural

porque o natural é o comum,

o que temos em comum com todos, o que nos faz digeríveis na sociedade

 

Natural é a palavra literal, o conceito-coisa, assimilável pelos sentidos das células e não dos intervalos dos átomos.

Natural é a digestão rápida, é o escaneamento sem profundidade – de corpos e palavras

 

E aí, um dia sai uma poesia

e em outro dia, menos ordinário ainda, saem várias da goela pra fora

 

Fazer poesia não é como respirar, não é como medir as batidas do coração,

não é como dormir 8 horas por dia

e nem como saber manter o casamento de 30 anos

 

É mais como aquela noite esquisita que você vomitou uma vez

e depois seu corpo sentiu vontade de jogar tudo pra fora de outra vez só

e a abertura de saída não dá conta. Então segura a onda e a coisa fica nessa dança

de querer sair sozinha, descontrolada, mas você precisa conter o fluxo. Porque as palavras só saem em porções.

 
E no final, restam no papel poças amarelas diferenciadas em versos.