O Nosso Amor é Engolível

O nosso amor ta sozo,

insosso, sonso, bobo, mingau de aveia, osso seco e oco

o nosso amor é o “hã?” como resposta

é a fala do cara mala que se tem que engolir

sentado de frente dele e olhando nos olhos

focando apenas nas pupilas para não se aborrecer com os sentidos.

O nosso amor é o derrame cerebral da velha que não morreu,

é a televisão dos anos 70 com dois canais dessincronizados,

um força a programação de A, o outro força a de B e o que grita é o chiado ininteligível

e a linha horizontal na tela, criando uma dor paciente de quem não absorve nada

O nosso amor ta emplastado, não encrespa e nem alisa,

cheiro de suvaco velho com desodorante avanço.

nunca explodiu, é um buraco na camada de ozônio, aspirando pra fora o fim da vida de canudinho

não é agudo e por isso fica.

incomoda como a fila do banco, chata e aceitável.

É uma refeição com gosto de óstia e café de ontem, doce e frio.

engolível.

A simples ausência dele deixaria uma culpa.

Velha tia avó de 100 anos que não morre, se morrer vai trazer um alivio culpado

então é melhor que não alivie.

Nosso amor é uma religião

de duas pessoas sem fé nenhuma

que continuam indo à missa para buscar e ouvir nada

só porque há de se fazer algo de si mesmo

só porque mesmo oco o corpo ainda anda.