Caleidoscópio

Os olhos são caleidoscópios de peças de diferentes etimologias

Desconstruindo universos conforme giram.

As mãos são côncavas redes meneando as lâminas,

garimpando flores raras e insetos luminosos

Para depois colar numa tela um quebra-cabeças de sobras.

Em mim, o mundo é concebido por esses dois sentidos

E os outros obedecem e acompanham

Às vezes o dia cheira a estrato de baunilha e às vezes a estrume

Às vezes é insosso

E o tempo?

Às vezes girassol, às vezes moinho.

Não é mais num furo do cenário que a inspiração transpassa

Porque eu já descosturei todas as bordas.